Promotoria de Defesa da Saúde Pública expede recomendação às autoridades para priorizar vacinação do vírus Influenza para grupos de risco; professores também são prioridade em 2017

Imprimir
PDF
Partilhar no FacebookPartilhar no Twitter
Tamanho da Fonte:

A fim de garantir o atendimento prioritário aos portadores de condições e fatores de risco durante e após a Campanha Nacional de Vacinação, a 26ª Promotoria de Justiça da Capital (Defesa da Saúde), expediu recomendação para a Secretaria de Saúde do Estado de Alagoas e do Município de Maceió. A campanha teve início no dia 10 de abril e segue até o dia 19 de maio, com o objetivo de prevenir a população contra o vírus Influenza.

O órgão de execução do Ministério Público do Estado de Alagoas (MPE/AL) também adotou o procedimento junto ao Conselho de Secretarias Municipais de Saúde de Alagoas (COSEMS). Caberá ao comando do órgão colegiado o envio da recomendação ministerial para todos os secretários de saúde dos municípios alagoanos.

“O Ministério da Saúde já alertou que a Influenza é uma doença respiratória infecciosa de origem viral, que pode levar ao agravamento e ao óbito, especialmente nos indivíduos que apresentam fatores ou condições de risco para as complicações da infecção. Então é preciso que as autoridades respeitem o alerta dado pela União e realmente priorizem essas pessoas. Vamos continuar monitorando a vacinação desses grupos prioritários”, garantiu a promotora de Justiça Micheline Tenório, que, em 2016, expediu recomendação similar.

A distribuição das vacinas deve priorizar crianças de seis meses a menores de cinco anos, gestantes, puérperas (até 45 dias após o parto), trabalhadores de saúde, povos indígenas, idosos (a partir de 60 anos) e pessoas portadoras de doenças crônicas não transmissíveis e condições clínicas especiais. Também estão inclusos no nicho prioritário adolescentes e jovens de 12 a 21 anos sob medidas socioeducativas, a população privada de liberdade e funcionários do sistema prisional.

Meta na distribuição de vacinas

A promotora de Justiça destacou que, de acordo com o Ministério da Saúde, os grupos de riscos somam 776.210 pessoas em Alagoas. Em 2017, o governo federal estipulou como meta a vacinação de, pelo menos, 90% de cada um dos grupos prioritários.

No entanto, para as pessoas portadoras de doenças crônicas e outras categorias de risco clínico, população privada de liberdade e funcionários do sistema prisional, será avaliado o número de doses aplicadas no período de campanha.

Na recomendação, o MPE/AL requisitou aos titulares de cada pasta que, no prazo de 10 dias, a contar do recebimento do documento, encaminhem à 26ª Promotoria de Justiça da Capital/Núcleo de Defesa da Saúde Pública respostas pertinentes a tudo aquilo que foi solicitado, acompanhadas das razões em caso de não acolhimento do procedimento.

Conselho Nacional do Ministério Público Conselho Nacional dos Procuradores Gerais Associação Nacional dos Membros do Ministério Público Colégio de Diretores de Escolas dos Ministérios Públicos do Brasil Conselho Nacional dos Ouvidores do Ministério Público Associação do Ministério Público de Alagoas Tribunal de Justiça de Alagoas