Campanha nas redes sociais do Ministério Público alerta crianças e adolescentes sobre as consequências do consumo de álcool, cigarro e outras drogas

Imprimir
PDF
Partilhar no FacebookPartilhar no Twitter
Tamanho da Fonte:

O Ministério Público Estadual de Alagoas (MPE/AL) vai usar as redes sociais para alcançar crianças, adolescentes, pais e comunidade escolar durante o período dos festejos juninos, conscientizando-os sobre as consequências causadas pelo consumo de bebida alcoólica, cigarros e outras drogas. As mensagens usam palavras e expressões da cultura nordestina e alertas sobre os principais males causados pelo álcool e pelas drogas lícitas e ilícitas.

“Oxe, cê tem idade pra fumar?”, “Menina, deixe de usar essas coisas!”, “Menino, deixe de usar essas coisas!” e “Ô Menino, desde quando cê tem idade pra beber”? chamam atenção para a faixa etária a ser atingida e relatam os danos causados à saúde das vítimas, detalhando a consequência do vício no organismo.

Iniciada nesta segunda-feira (12), a campanha vai ganhar as redes sociais do Ministério Público, tendo os posts sendo realizados no Facebook do MPE/AL - mpalagoas, no Instagram - @mpealagoas, no Twitter - @MPEAL e no aplicativo Whatsapp.

“O Ministério Público tem compromisso com o desenvolvimento da cidadania e sabe que alertas nesse sentido são importantes porque o público destinatário dessa ação ainda está em formação e é mais fácil de ser influenciado. É claro que essa prevenção começa em casa, com a família, mas as instituições também podem auxiliar nesse sentindo. Queremos contribuir, semeando esperança de que os futuros adultos serão mais saudáveis. Inclusive, aproveito a oportunidade para parabenizar a grande iniciativa que é esse projeto coordenado pela promotora de Justiça Alexandra Beurlen”, destacou o procurador-geral de Justiça, Alfredo Gaspar de Mendonça Neto.

“Não é difícil atrair crianças e adolescentes para o mundo da fantasia prometido após o consumo de substâncias psicotrópicas. Como esse público usa bastante o aparelho celular e é muito conectado às redes sociais, queremos atingi-lo por meio desses plataformas”, explicou a promotora Alexandra Beurlen, da Promotoria da Infância e da Juventude.

E para que a ação seja fortalecida, mais promotores estão se engajando na campanha e também estenderão a divulgação nas cidades onde atuam.

São Sebastião

Para a promotora de Justiça Viviane Karla, o alerta deve ser constantemente feito.

“Ainda que alguns não considerem importante essa discussão, o fato é que esse é um problema de todos nós agentes sociais. Nossas crianças e adolescentes precisam de proteção, de modo que todo aquele que fornece droga ou tabaco a uma pessoa em desenvolvimento está a concorrer para o possível comprometimento de seu desenvolvimento”, disse ela.

Boca da Mata

Em Boca da Mata, o promotor Bruno Baptista também falou da importância do projeto e lembrou que a preocupação não cabe somente ao Estado. “A Promotoria de Justiça de Boca da Mata aderiu de forma imediata a esta mobilização. Vamos ajudar na divulgação das redes sociais do Ministério Público aqui na cidade, a fim de que o público-alvo possa receber as informações. E a campanha, na verdade, chega para ratificar um trabalho que já desenvolvemos no município nessa área. A efetiva tutela dos direitos das crianças e adolescentes não cabe somente ao Estado, por meio de seus órgãos públicos, mas também e principalmente a toda a população, que tem o dever de promover, guardar, respeitar e, acima de tudo, conscientizá-los a respeito dos efeitos nocivos quando do uso de substâncias entorpecentes. É somente através de um trabalho conjunto que poderemos traçar novos paradigmas socioculturais para essa geração, tão carente de referências, apesar do farto acesso à informação”, enfatizou Bruno Baptista.

Piranhas

Adriana Acioly, da Promotoria de Piranhas, acredita no poder da divulgação para conseguir passar as mensagens de conscientização. “A campanha está utilizando mensagens simples, diretas e que falam a língua do jovem. Isso desperta maior interesse para ler. Quando se colocam muitas informações com termos técnicos, a leitura se torna cansativa e acaba correndo o risco de não atingir o seu objetivo. Tenho certeza que as crianças e os adolescentes que lerem as artes produzidas pelo Ministério Público vão entender de forma rápida o que queremos dizer”, declarou.

Conselho Nacional do Ministério Público Conselho Nacional dos Procuradores Gerais Associação Nacional dos Membros do Ministério Público Colégio de Diretores de Escolas dos Ministérios Públicos do Brasil Conselho Nacional dos Ouvidores do Ministério Público Associação do Ministério Público de Alagoas Tribunal de Justiça de Alagoas