Projetos do MPE/AL querem acabar com ingerência externa na marcação de exames e consultas e cobrar mais transparência nas câmaras municipais em Alagoas

Imprimir
PDF
Partilhar no FacebookPartilhar no Twitter
Tamanho da Fonte:

O setor de Planejamento Estratégico do Ministério Público Estadual de Alagoas (MPE/AL) recebeu esta semana dois novos projetos que começarão a ser executados nos próximos dias. “De olho na fila”, da 26ª Promotoria de Justiça da Capital, e “Transparência no Legislativo Municipal de Alagoas”, do Núcleo de Defesa do Patrimônio Público, já foram aprovados pela chefia da instituição e as comissões que compõem cada projeto começarão agora a executar o cronograma de atividades.

“De olho na fila” é o projeto da 26ª Promotoria de Justiça da Capital, que tem atribuição para atuar na área de saúde. Seu objetivo é dar transparência à regulação no atendimento do Cora, o sistema virtual de marcação de exames e consultas da Prefeitura de Maceió. A intenção é que tal transparência dê mais eficiência e objetividade ao serviço, sem a interferência e favorecimentos pessoais ou outros fatores subjetivos.

A promotora de Justiça Micheline Tenório, que coordena o projeto, explicou que a ideia surgiu em função da grande quantidade de reclamações que chegavam à 26ª Promotoria e denunciavam que havia ingerência política na marcação dos serviços à população. “O projeto pretende acabar com esse tipo de situação. Não está certo que pessoas de fora favoreçam seus aliados. O sistema deve destinar tratamento igualitário para todos os cidadãos. Quem chegar primeiro, tem o serviço garantido. Queremos mais transparência na marcação das consultas e dos exames e que o Cora funcione exatamente como manda a legislação”, detalhou ela.

Segundo a promotora, a experiência piloto vai acontecer na região do 3º distrito sanitário, que é composto por cinco unidades de atenção básica. Ele envolve os bairros Sanatório, Pitanguinha, Canaã, Vila Redenção e Pinheiro. “Vamos realizar uma audiência ampliada com gestores e funcionários para discutir esse assunto e tentar descobrir exatamente como se dava a marcação. Na sequência, faremos uma audiência pública com a população, precisamos ouvir os pacientes, saber das reclamações e buscar o modo de pôr fim ao que estava ocorrendo”, acrescentou Micheline Tenório.

O projeto será coordenado por ela e vai contar com a participação de Maryna Araújo, analista jurídica; Hélder Lima, assessor administrativo; e Marcelo Néry, técnico da 26ª Promotoria de Justiça da Capital. Ele terá prazo de execução de seis meses.

Probidade administrativa

O Núcleo de Defesa do Patrimônio Público também apresentou projeto no Planejamento Estratégico. O “Transparência no Legislativo Municipal de Alagoas” tem como missão defender a probidade administrativa na gestão pública. Suas principais estratégias são integrar a atuação dos órgãos ministeriais de apoio e de execução na área de defesa do patrimônio público e aprimorar a responsabilização pela prática de improbidade administrativa cometida.

“Historicamente a improbidade administrativa e a corrupção sempre estiveram presentes no seio da administração pública e o desvio de recursos continua impactando negativamente na promoção de políticas capazes de reduzir as mazelas por que passam o povo alagoano. Dessa forma, o nosso projeto quer investigar o cumprimento da Lei Complementar nº 101/2000 (Lei de Responsabilidade Fiscal) e da Lei nº 12.527/11 (Lei de Acesso à Informação) no âmbito dos poderes legislativos municipais, especificamente por meio da verificação e análise dos níveis de transparência apresentados pelos portais eletrônicos das Câmaras de Vereadores do estado de Alagoas”, explicou o coordenador do projeto, promotor de Justiça José Carlos Castro.

“É importante acrescentar que a investigação dos portais eletrônicos do legislativo municipal alagoano seguirá os critérios indicados pela Estratégia Nacional de Combate à Corrupção e Lavagem de Dinheiro, já consolidada pelo Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP).

O projeto também conta com a participação da analista do MPE/AL Andreza Galindo de Queiróz e do Victor Hugo Lessa Pierre, analista do Ministério Público.

As duas reuniões para tratar dos novos projetos apresentados contaram com a participação da promotora de Justiça Stela Valéria Cavalcanti, coordenadora do setor, e da chefe do Escritório de Projetos, Renata Teixeira, responsável por receber as demandas que chegam à Assessoria de Planejamento Estratégico do Ministério Público (Asplage). “Estamos felizes felizes com a iniciativa de promotores e servidores em querer ir além das suas demandas normais de trabalho. Mostra o compromisso e o envolvimento deles com a instituição e com a sociedade. Somente este ano, já temos nove projetos cadastrados na Asplage”, disse Stela Valéria Cavalcanti.

Conselho Nacional do Ministério Público Conselho Nacional dos Procuradores Gerais Associação Nacional dos Membros do Ministério Público Colégio de Diretores de Escolas dos Ministérios Públicos do Brasil Conselho Nacional dos Ouvidores do Ministério Público Associação do Ministério Público de Alagoas Tribunal de Justiça de Alagoas