MPE/AL realiza audiência pública para apresentar Plano de Conservação do Mutum-de-alagoas

Imprimir
PDF
Partilhar no FacebookPartilhar no Twitter
Tamanho da Fonte:

O ato PGJ Nº 19/2017 instituiu o Programa de Atuação Ministerial para Conservação de Espécie Ameaçadas de Extinção no Estado de Alagoas, que tem como um dos objetivos o desenvolvimento de ações voltadas à conservação de espécies ameaçadas de extinção. Um dos primeiros projetos do Programa, o Plano de Ação Estadual de Conservação do Mutum-de-alagoas, foi apresentado, nesta quinta-feira (16), durante audiência organizada pelo Ministério Público do Estado de Alagoas (MPE/AL), aos moradores do município de Rio Largo.

A reunião de trabalho foi capitaneada pelo promotor de justiça Alberto Fonseca, titular da 4 ª Promotoria de Justiça da Capital e contou com representantes do Instituto de Proteção da Mata Atlântica (IPMA), do Instituto do Meio Ambiente de Alagoas (IMA), da Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos, da Universidade Federal de Alagoas (UFAL), Batalhão de Policiamento Ambiental (BPA) e dos poderes Legislativo e Executivo de Rio Largo. Além da presença da população local.

“Realizamos a audiência para apresentar as diretrizes do programa à comunidade e às autoridades local. Rio Largo foi escolhido, por que a reintrodução do Muntum começará em uma mata localizada na cidade e o viveiro de adaptação do primeiro casal da ave foi instalado nas terras da Usina Leão, que fica no município. Acreditamos que a participação da população é fundamental para a total eficiência do sucesso da reintrodução. É preciso a união de forças da comunidade, das instituições que trabalham coma causa ambiental e do órgãos públicos para o sucesso do plano”, declarou o promotor de justiça Alberto Fonseca.

Durante a reunião o presidente IPMA, Fernando Pinto, fez uma explanação de todo processo de recuperação do Muntum, que consta na lista de animais ameaçados de extinção. “Foi um processo longo, que começou com o ambientalista e pesquisador Pedro Nardeli. É um processo delicado, que exige o envolvimento de todos. Cada um, seja de órgãos ambientais, instituições públicas ou mesmo da comunidade precisa se comprometer”, disse.

O pesquisador e professor da UFAL, Lahert William Lobo, fez uma pequena palestra sobre a reintrodução do Mutum como fomento para conservação da biodiversidade. Além dele, o secretário de meio ambiente de Rio Largo, Claudio Melo, falou sobre a importância da ação e colou a prefeitura da cidade à disposição para contribuir com a as atividades que estão sendo desenvolvidas.

Logo após o encontro, os participantes da Audiência Pública visitaram o viveiro de adaptação do casal de Mutum, que fica no Centro de Educação Ambiental Pedro Nardelli, na Usina Utinga, em Rio Largo. Durante a vista eles puderam saber de detalhes do funcionamento do processo de adaptação dos dois animais, que serão devolvidos para natureza em breve.

O promotor de justiça Alberto Fonseca avaliou a audiência como proveitosa, mas acredita que a discussão precisa ser ampliada. Por isso, foi marcada uma nova audiência pública, que deverá acontecer em fevereiro de 2018. “Acredito que será preciso estender esse assunto um pouco mais. A população precisa ser esclarecida, nos mínimos detalhes, sobre a importância do Mutum para Alagoas”, disse.

Além do titular da 4ª Promotoria de Justiça da Capital, a coordenação do o Plano de Ação Estadual de Conservação do Mutum-de-alagoas também tem assinatura dos promotores de justiça Magno Alexandre Ferreira Moura, Lavínia Fragoso e Stela Valéria Cavalcanti.

Conselho Nacional do Ministério Público Conselho Nacional dos Procuradores Gerais Associação Nacional dos Membros do Ministério Público Colégio de Diretores de Escolas dos Ministérios Públicos do Brasil Conselho Nacional dos Ouvidores do Ministério Público Associação do Ministério Público de Alagoas Tribunal de Justiça de Alagoas