Atuaçao do Ministério Público resulta em condenação do acusado de matar o capitão Rodrigo Rodrigues

Imprimir
PDF
Partilhar no FacebookPartilhar no Twitter
Tamanho da Fonte:

"Condeno o réu, definitivamente, a 17 anos e três meses de reclusão, em regime fechado". Com essa sentença anunciada pelo juiz Anderson Passos, em desfavor de Agnaldo Lopes de Vasconcelos, acusado de matar o capitão Rodrigo Rodrigues, o Ministério Público Estadual de Alagoas (MPE/AL), representado pelo promotor de justiça José Antônio Malta Marques, afirma ter convicção do dever cumprido. O júri ocorreu durante todo o dia dessa segunda-feira (4), no Fórum Desembargador Jairo Maia Fernandes, no Barro Duro, em Maceió.

Durante 15 horas, entre depoimentos de testemunhas e do réu e os debates entre acusação e defesa, o Conselho de Sentença, formado somente por mulheres,  foi convencido de que as provas apresentadas pelo Ministério Público foram suficientes contra o acusado, não deixando dúvidas para a condenação de Agnaldo.

" O Ministério Público mais uma vez cumpriu seu papel. Hoje a justiça não foi somente feita à família, ao filho, mas a toda instituição Polícia Militar, ao estado de Alagoas", declarou o promotor Malta Marques.

Sobre a decisão dos jurados pela condenação do réu, o promotor disse que prevaleceram as provas compostas nos autos. "Todo o conjunto probatório, tanto as provas materiais quanto as testemunhais, demonstraram que a tese correta foi aquela sustentada por nós. O júri decidiu pela condenação porque o próprio acusado confessou  ter atirado no oficial", completou o membro do MPE/AL.

O promotor e o assistente de acusação, advogado Welton Roberto, apresentaram provas, a exemplo de imagens da reconstituição do crime e do telefonema feito pelo acusado e familiares  para o Ciosp, horário de entrada no HGE e do óbito do oficial.

Na tentativa de desqualificar a acusação, bem como o laudo da Perícia Oficial, a defesa apresentou um parecer técnico feito por uma pessoa contratada, o qual discordava de todos os apontamentos dos peritos oficiais, chegando a insinuar que o capitão Rodrigo Rodrigues poderia ter sido morto pelos colegas de farda.

Contradição do réu

Agnaldo Lopes de Vasconcelos entrou em contradição algumas vezes durante o seu interrogatório. E, segundo o Ministério Público, o mesmo não aconteceu com as testemunhas de acusação que também prestaram depoimento. 

Para o advogado Welton Roberto, o resultado do julgamento foi encerrado como uma "vitória" merecida. "Finalmente fizemos justiça. Após um ano e oito meses de agonia e dor à família, o assassino foi condenado. Confesso que até esperava um tempo de condenação maior, no entanto, ficamos satisfeitos com a pena aplicada de 17 anos e três meses. Dará tempo para ele pensar em nunca mais atentar contra a vida de alguém, especialmente em desfavor de um agente da Segurança Pública. Os jurados, com certeza, acertaram no veredito", ressaltou o advogado.


O juiz Anderson Passos, que presidiu o júri, disse ter ficado satisfeito com o resultado. "Minha satisfação é o fato de tudo ter ocorrido tranquilamente, dentro do esperado. Os jurados decidiram condenar e, em razão da condenação, fixei a sentença dentro dos parâmetros legais. Por fim, a lei foi aplicada", enfatizou o magistrado.

Público lotou o salão do júri

Além dos familiares, amigos do capitão Rodrigo Rodrigues e centenas de policiais militares, com destaque para PMs do Batalhão de Radiopatrulha, onde a vítima estava lotada, acompanharam o júri do começo ao fim. 

O procurador-geral de Justiça, Alfredo Gaspar de Mendonça Neto, também esteve no local para se solidarizar com os familiares.

O júri

Durante o júri, cinco testemunhas, sendo quatro de acusação, foram ouvidas. Uma delas foi a viúva do capitão Rodrigues, que falou sobre a vida e o comportamento do marido.

Do lado da defesa, apenas uma testemunha, que se apresentou como pastor evangélico, falou.

Os debates entre acusação e defesa foram à réplica e à tréplica. Perto da meia-noite, o juiz anunciou o veredicto. Foram 14 anos e três meses por homicídio qualificado e mais três por posse de munição de uso restrito.

Fotos: Claudemir Mota, Itawi Albuquerque e Dulce Melo

Conselho Nacional do Ministério Público Conselho Nacional dos Procuradores Gerais Associação Nacional dos Membros do Ministério Público Colégio de Diretores de Escolas dos Ministérios Públicos do Brasil Conselho Nacional dos Ouvidores do Ministério Público Associação do Ministério Público de Alagoas Tribunal de Justiça de Alagoas