Ministério Público se reúne com representantes de diferentes órgãos do Estado para discutir regularização do abastecimento do Hospital Hélvio Auto

Imprimir
PDF
Partilhar no FacebookPartilhar no Twitter
Tamanho da Fonte:

A Promotora de Justiça de Defesa da Saúde Pública, Micheline Tenório, do Ministério Público do Estado de Alagoas (MPE/AL), participou de reunião com representantes da Controladoria Geral da União, da Uncisal, Sesau, Defensoria do Estado, gestores do Hélvio Auto e Conselho Estadual de Saúde, na tarde desta quinta-feira (01), na sede do Conselho de Saúde, bairro do Jaraguá, em Maceió, para discutirem a situação do Hospital Hélvio Auto. Durante o encontro, os participantes foram informados da decisão judicial autorizando a compra de medicamentos e insumos, em caráter emergencial, sem licitação, para garantir a regularização no atendimento à população.

“Vale ressaltar que desde 2016, decorrente de uma ação civil pública impetrada pelo Ministério Público, a Uncisal está autorizada a realizar os procedimentos de aquisição independentemente da AMGESP, em prol da Santa Mônica e do Hélvio Auto.”, afirma a promotora Micheline.

Dentro das preocupações do MPE/AL está também a questão relacionada aos investimentos do Governo na Saúde.

“Enquanto os municípios chegam a investir mais de 20% na Saúde, o Estado se limitou a aplicar em 2017 o percentual de 12,34% , pouco mais do mínimo determinado pelo Ministério da Saúde que é de 12%. Dessa forma, é necessária a ampliação dos investimentos do Estado na saúde, de modo que atenda as reais necessidades da população, conforme determina a legislação”, declara a representante do MPE.

A promotora Micheline Tenório pediu para que fosse constado em ata “que a Uncisal preste informações mensais, ao Ministério Público, a respeito do andamento dos processos de aquisição, devendo constar a previsão de término de cada um”.

A reunião contou também com a participação de representantes da Rede Nacional de Pessoas Vivendo com HIV/AIDS. Cláudio Melo, portador, fez uma denúncia em forma de desabafo. Ele relatou que na manhã desta quinta-feira, no Hélvio Auto, se deparou com pacientes recebendo a informação de que exames com soro reagente não estão sendo feitos no Hélvio Auto.

“Estão atropelando nossos direitos. Há portadores envelhecendo, outros já velhos chegando e não tendo o atendimento devido. Eles nos enxergam como depósito de remédio apenas, queremos assistência digna, amparo por parte do Governo”, expõe.

Com a decisão judicial, a Uncisal e a Sesau deverão regularizar o quanto antes o atendimento prestado pelo Hélvio Auto.

“Estando autorizada judicialmente a aquisição sem licitação dos itens necessários ao funcionamento do Hélvio Auto, a Uncisal e a Sesau irão se reunir com celeridade para regularizar o abastecimento do Hospital, assim como deverão adotar todas as providências necessárias ao regular andamento dos processos de aquisição, de forma que o problema não volte a se repetir”, afirma a Promotora Micheline Tenório.

Conselho Nacional do Ministério Público Conselho Nacional dos Procuradores Gerais Associação Nacional dos Membros do Ministério Público Colégio de Diretores de Escolas dos Ministérios Públicos do Brasil Conselho Nacional dos Ouvidores do Ministério Público Associação do Ministério Público de Alagoas Tribunal de Justiça de Alagoas