Após reunião com o Ministério Público, IML organiza mutirão e agiliza liberação de corpos

Imprimir
PDF
Partilhar no FacebookPartilhar no Twitter
Tamanho da Fonte:

Depois da intervenção do Ministério Público do Estado de Alagoas (MPE/AL), que reuniu a cúpula da Segurança Pública de Alagoas e requereu providências para sanar os entraves que estavam deixando morosos os serviços do Instituto de Medicina Legal Estácio de Lima (IML). No final de semana, a direção do órgão anunciou que zerou o número de cadáveres que aguardavam para serem liberados pelos profissionais da unidade.

O promotor de Justiça, Magno Alexandre Moura, da 62ª Promotoria de Justiça da Capital, especializada no Controle Externo da Atividade Policial, coordenou a reunião. Para ele, o Ministério Público cumpriu seu papel de zelar pelos direitos do cidadão e o bom funcionamento dos serviços públicos.

“A obrigação do Ministério Público é zelar pelo pelo respeito aos órgãos públicos para que prestem efetivo serviço em consonância com os princípios constitucionais da legalidade, impessoalidade, razoabilidade e eficiência. Entendemos a situação dos profissionais, que precisam de condições melhores para desenvolver seus trabalhos. Entretanto, é preciso prestar o bom serviço á população, enquanto uma solução definitiva não acontece, manteremos a vigilância em relação à situação, porém, levamos em consideração o espírito público demonstrado pelo Secretário de Segurança Pública Coronel Lima Júnior, e o Diretor do IML, Fernando Marcelo que não mediram esforços para buscar uma solução para o impasse que se viu no Instituto Médico legal, contudo, adotaremos medidas cabíveis sempre que houver necessidade da nossa intervenção", declarou o promotor.

A liberação dos cadáveres somente foi possível devido a um mutirão que foi montado e inciado logo após a reunião capitaneada pelo MPE/AL. Para atingir a meta, peritos médicos legistas e técnicos forenses trabalharam em regime de escala extra para realizar os exames de necropsia.

Dados estatísticos do órgão apontam que do dia 21 quando se iniciou o atraso nas liberações, até o dia de hoje foram concluídos 92 exames cadavéricos. No mesmo período foram realizados 348 exames de lesão corporal em vivos.

Conselho Nacional do Ministério Público Conselho Nacional dos Procuradores Gerais Associação Nacional dos Membros do Ministério Público Colégio de Diretores de Escolas dos Ministérios Públicos do Brasil Conselho Nacional dos Ouvidores do Ministério Público Associação do Ministério Público de Alagoas Tribunal de Justiça de Alagoas