Guardião da Cidadania: Em Viçosa, MPE tem atuação mais forte no combate a improbidade e ao crime

Imprimir
PDF
Partilhar no FacebookPartilhar no Twitter
Tamanho da Fonte:

Trabalhar no combate aos atos de improbidade administrativa e contra a prática dos mais diferentes tipos de crime tem sido a prioridade do Ministério Público Estadual de Alagoas (MPE/AL) no município de Viçosa. Por lá, o promotor de justiça Anderson Cláudio de Almeida Barbosa, há 14 anos, atua para que o dinheiro público tenha correta aplicação, para que os infratores da lei sejam punidos e para garantir o respeito aos direitos sociais da população. Confira o trabalho desenvolvido por ele em mais uma reportagem da série ‘Guardião da Cidadania’.

Entre os anos de 2013 e 2015, a Promotoria de Justiça de Viçosa concentrou esforços no combate à corrupção e a má administração pública. Foram várias ações ajuizadas contra o então prefeito da cidade, que, dentre outras coisas, foi acusado de causar prejuízo ao Fundo Municipal Previdenciário e de fraude a licitação.

Numa das ações ajuizadas, o Ministério Público acusou o ex-gestor de ter efetuado compras de material de construção sem o devido procedimento licitatório, nos anos de 2012 e 2013. “Ele autorizou e determinou compra direta quando a legislação determina que deve ser realizada a licitação. O valor das aquisições superava em mais do que o triplo aquele limite autorizado por lei para dispensa de compras em geral, assim como também era maior até mesmo do montante de R$ 15 mil, que é permitido para dispensa de licitação em caso de obra ou serviço de engenharia. Ao não realizar o procedimento, o ex-prefeito impediu a salutar concorrência para eventuais interessados em contratar com a administração”, explicou Anderson Cláudio Barbosa.

“Esse mesmo ex-gestor responde na justiça a ações por apropriação indébita previdenciária e contratações irregulares. E claro, talvez uma das coisas mais escandalosas de sua gestão foi o pagamento de diárias falsas a si mesmo. Ele recebeu tais diárias sem a realização de viagens ou a ausência da devida comprovação delas e ainda fez a aquisição de passagens aéreas e hospedagens sem processo licitatório. Isso motivou a Promotoria de Viçosa a ingressar com uma ação por ato de improbidade administrativa contra o prefeito da época e o secretário municipal de Administração daquele município. O prejuízo aos cofres públicos ultrapassou a soma de R$ 153 mil”, destacou o promotor, acrescentando que, nesse período entre 2013 e 2015, o dano ao erário somou mais de R$ 10 milhões.

Na atuação gestão, Anderson Cláudio Barbosa informou que a relação entre o MPE/AL e o Poder Executivo tem sido mais tranquila e que a atual gestão tem seguido as orientações do Ministério Público.

Combate ao crime

Assaltos, tráfico de drogas e homicídios são os crimes mais comuns que ocorrem em Viçosa, “Muitas pessoas morrem, inclusive, porque se envolvem o comércio ilegal de entorpecentes. Por isso buscamos uma parceria com o Grupo Estadual de Combate às Organizações Criminosas (Gecoc) e com as Polícias Civil e Militar para intensificar as investigações contra esses tipos de ilícitos e para aumentar o policiamento ostensivo naquelas localidades mais vulneráveis. Somente numa das operações que realizamos todos juntos, prendemos quatro traficantes, farto armamento, vasta munição, drogas e veículos adquiridos com o dinheiro do tráfico”, lembrou o promotor.

E em razão do aumento das rondas policiais nos bairros - especialmente aqueles mais violentos, e da apuração mais rápida da polícia judiciária, Anderson Cláudio Barbosa garante que caiu o número de assassinatos na cidade. “A chegada do Centro Integrado de Segurança Pública (Cisp), no final do ano passado, em Viçosa, contribuiu para essa redução.

“Também é importante registrarmos que conseguimos diminuir os casos de violência contra a mulher. Quando a atuação do Ministério Público começou a condenar uma quantidade maior de homens e eles passaram a ficar presos, isso serviu de exemplo. Normalmente o agressor não reincide mais”, disse.

Infância e juventude

Em Viçosa, o MPE/AL também tem um olhar especial para as crianças e os adolescentes do município. Como a relação com o Conselho Tutelar da cidade é bastante saudável, essa parceria permite que demandas cheguem mais rapidamente ao Ministério Público que, também com agilidade, busca garantir direitos que estejam sendo violados. “Um exemplo dessa boa relação foi o caso que recebemos dos conselheiros que envolvia uma adolescente que foi estuprada. Por mais que o ato sexual tivesse sido praticado com o consentimento dela, o crime de estupro estava configurado porque a menina tinha menos de 14 anos. Além disso, os pais da garota eram contra o namoro. Pedimos a prisão do rapaz, que já tinha 23 anos. Ela foi decretada de imediato pelo juiz”, contou o promotor de justiça.

“Também acho que devo compartilhar a informação de que quando nossa atuação resulta num pagamento de multa ou numa transação penal (instituto jurídico que tem como fim evitar a instauração do processo penal através de um acordo entre o Ministério Público e o autor do fato), convertemos esse dinheiro para o Lar bom Samaritano, uma instituição filantrópica que cuida de 14 crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade social. A entidade desenvolve um trabalho muito bonito e merece ser ajudada sempre”, garantiu ele.

Chã Preta e Mar Vermelho

Os municípios de Chã Preta e Mar Vermelho também estão sob a jurisdição da Promotoria de Justiça de Viçosa e os cuidados em todas as áreas são semelhantes.

Recentemente, Anderson Cláudio Barbosa cobrou providências da Prefeitura de Chã Preta em relação aos ônibus que fazem o transporte escolar da rede municipal. “Estamos fazendo um trabalho junto com o Departamento Estadual de Trânsito (Detran/AL) para que os motoristas sejam capacitados. Eles precisam ter mais responsabilidade com as vidas que carregam naqueles veículos. São oito ônibus e mais dois veículos que cuidam de dezenas de crianças e adolescentes”, alertou.

Também em Chã Preta, o Ministério Público ajuizou uma ação civil pública contra a Prefeitura para evitar que a atual administração voltasse atrás na entrega de terrenos que foram doados a moradores de baixa renda pela gestão anterior. A doação ocorreu em 2016 e a atual prefeita, por meio de um decreto, queria desfazer a entrega das terras. Para o promotor de justiça da cidade, a chefe do Poder Executivo estaria agindo ‘politicamente’ e tal interesse privado não poderia se sobrepôr ao interesse público de beneficiar pessoas que nunca tiveram residência própria.

Já em Mar Vermelho, uma ação penal teve como alvo a prefeita do município. Ela foi acusada de fraude à licitação. O processo fraudulento envolvia uma obra na cidade. Além disso, o Ministério Público instaurou procedimento administrativo para apurar uma suposta contratação irregular na área de shows. “A empresa não esta devidamente regularizada para a prestação do serviço. Esse é um procedimento que está em andamento e, em breve, saberemos o que realmente aconteceu”, assegurou Anderson Cláudio Barbosa.

Conselho Nacional do Ministério Público Conselho Nacional dos Procuradores Gerais Associação Nacional dos Membros do Ministério Público Colégio de Diretores de Escolas dos Ministérios Públicos do Brasil Conselho Nacional dos Ouvidores do Ministério Público Associação do Ministério Público de Alagoas Tribunal de Justiça de Alagoas