Ministério Público lança nesta sexta-feira (25) Programa de Localização e Identificação de Desaparecidos

Imprimir
PDF
Partilhar no FacebookPartilhar no Twitter
Tamanho da Fonte:

25 de maio foi escolhido para ser o Dia Internacional das Crianças Desaparecidas e este ano é a data em que Alagoas passa a contar com um importante aliado na busca de soluções para casos de pessoas que não são encontradas por seus parentes. É o Programa de Localização e Identificação de Desaparecidos (Plid), que será coordenado no estado pelo Ministério Público do Estado (MPE/AL) e executado por um grupo de trabalho envolvendo várias instituições. O lançamento acontece, nesta sexta-feira (25), às 9h, no auditório do prédio-sede do órgão ministerial no bairro do Poço.

Com o lançamento, o Programa de Localização passa a funcionar permanentemente no MPE/AL, que tem entre as metas de seu planejamento estratégico proporcionar o exercício da cidadania plena para a sociedade alagoana. “O Ministério Público trabalha para garantir que o cidadão tenha seus direitos garantidos. Essa ferramenta tem como objetivo reestabelecer a dignidade da pessoa desaparecida. Ou seja, executando o Plid a instituição cumpre mais uma vez o papel a que é destinada. Além disso, esse é um instrumento de aproximação entre a instituição e a sociedade”, declarou a coordenadora do Programa em Alagoas, promotora de justiça Marluce Falcão.

A promotora explicou ainda que o Plid/ AL foi concebido para atender o convênio firmado com o Conselho Nacional dos Ministérios Públicos (CNMP), visando operacionalizar o Sistema Nacional de Localização e Identificação de Desaparecidos no âmbito do Ministério Público brasileiro (Sinalid). O objetivo é criar um sistema de buscas integrado nacionalmente e desenvolver ações conjuntas e de apoio mútuo às atividades de sistematização de procedimentos, comunicações e registros de notícias de pessoas desaparecidas ou vítimas de tráfico humano, com cruzamento de dados.

“O Sistema Nacional é um banco de dados inteligente, alimentado por informações enviadas por instituições de todo o Brasil. O Programa de Localização, por sua vez, faz a operacionalização do Sinalid, alimentando-o com informações e, também, realizando uma busca ativa por pessoas desaparecidas usando as informações articuladas com instituições alagoanas e com as encontradas no próprio Sinalid”, disse Marluce Falcão.

Formação da rede

O Plid/AL efetuará um cadastro de desaparecimentos que usa e sistematiza dados de diversas fontes, assim auxiliando no processo de localização de pessoas desaparecidas e permitindo o desenvolvimento de ações conjuntas entre os órgãos.“Firmaremos termos de cooperação com algumas instituições para que possamos trocar informações e também formar a rede que possibilitará realização dessas buscas ativas. Acreditamos que só um trabalho conjunto, traçando uma estratégia conjunta poderemos minimizar a dor de centenas de família afetadas pelo fenômeno social do desaparecimento de pessoas”.

O trabalho funciona a partir da recepção de demandas pelo sistema de atendimento. Um formulário on-line é preenchido com informações e características físicas do desparecido. Os dados são organizados e transformados em um documento eletrônico, que é encaminhado para uma equipe de operadores. Diligências específicas conectam as diversas bases de dados e motivam as ações de modo que se permita esgotar os meios de busca ou identificar o vínculo desfeito.

Conselho Nacional do Ministério Público Conselho Nacional dos Procuradores Gerais Associação Nacional dos Membros do Ministério Público Colégio de Diretores de Escolas dos Ministérios Públicos do Brasil Conselho Nacional dos Ouvidores do Ministério Público Associação do Ministério Público de Alagoas Tribunal de Justiça de Alagoas