Atividades da campanha Agosto Lilás são realizadas no Benedito Bentes

Imprimir
PDF
Partilhar no FacebookPartilhar no Twitter
Tamanho da Fonte:

A campanha “Agosto Lilás”, coordenada pelo Ministério Público Estadual de Alagoas (MPE/AL), chegou ao Bairro do Bendito Bentes, neste sábado (11). Com tendas montadas na Praça Padre Cícero, ao lado do terminal de ônibus, houve a distribuição de cartazes, panfletos e broches lilases, bate-papo com a população sobre a Lei Maria da Penha e esclarecimentos sobre o funcionamento da Rede de Atendimento a Mulher e apresentação artísticas  de crianças atendidas pelo projeto Maceió Voluntário e da Banda da Polícia Militar de Alagoas.

Este ano, um dos objetivos é esclarecer que a violência contra a mulher  também  tem uma segunda vítima: o filho. A campanha se estenderá por todo este mês de agosto, ocupará plataformas multimídias e mostrará os traumas vivenciados dentro de casa em situações de abuso.

A promotora de Justiça Maria José Alves, titular da 38ª Promotoria de Justiça da Capital,  com atribuição para atuar nessa área, lembrou  que  uma relação abusiva não é apenas a mulher que sofre. "Existem  os familiares que sofrem junto, principalmente os filhos. Nestas situações, temos que lançar o olhar para  além da mulher. Há os filhos, que também são  vítimas dessas agressões. Eles precisam de atenção também", declarou.

Maria José Alves orienta as vítimas a fazerem a denúncia contra o agressor. Ela  ainda destacou que parentes e amigos que sabem de situações em que mulheres  estão sendo agredidos também podem  ajudar a acabe com o ciclo violento.

“É fundamental quebrar o silêncio. Ele é o maior aliado do agressor, do homem autor de violência doméstica. A própria vítima, o vizinho, um parente. Todo cidadão pode dizer uma basta. ‘Ligue 180’, é um canal de denúncia oficial e está à disposição das mulheres 24 horas”, enfatizou.

Uma senhora que preferiu não  se identificar, parou na tenda montada na Praça Padre Cícero e ressaltou a importância do  trabalho desenvolvido. “Eu nunca sofri violência doméstica, mas minha vizinha e uma prima sofrem. A gente aconselha, mas agora eu sei que mesmo não sendo comigo eu sei que posso me meter. Afinal, eu posso salvar a vida delas.  É preciso ter consciência", disse.

Também participou do evento a gerente de política para mulher, da secretaria da Mulher e dos Direitos Humanos de Alagoas, Mel Falcão.

Onde denunciar

As Promotorias de Combate e Prevenção à Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher também integram a rede de atendimento e proteção às mulheres vítimas de violência doméstica e familiar. Elas funcionam junto ao Juizado que tem a mesma competência, e estão localizadas na Praça Sinimbu, nº 119, no Centro de Maceió.

Existe ainda o número 180, que é gratuito e não é preciso identificar-se. Ou ainda o 190, que é o número de emergência da Polícia Militar.

Agosto foi escolhido para discutir o tema porque é o mesmo mês da sanção da Lei Maria da Penha. Já a cor lilás é aquela adotada pelo feminismo no mundo.

 

Fotos: Claudemir Mota

 

Conselho Nacional do Ministério Público Conselho Nacional dos Procuradores Gerais Associação Nacional dos Membros do Ministério Público Colégio de Diretores de Escolas dos Ministérios Públicos do Brasil Conselho Nacional dos Ouvidores do Ministério Público Associação do Ministério Público de Alagoas Tribunal de Justiça de Alagoas