Agosto Lilás chega a Arapiraca para discutir o combate a violência doméstica e familiar contra a mulher

Imprimir
PDF
Partilhar no FacebookPartilhar no Twitter
Tamanho da Fonte:

A campanha Agosto Lilás, do Ministério Público Estadual de Alagoas (MPE/AL), foi às ruas de Arapiraca, na tarde desta quinta-feira (23), para falar sobre o combate a violência doméstica e familiar contra a mulher. Dezenas de pessoas ocuparam a Praça Deputado Marques da Silva, no Centro da cidade, num encontro que reuniu, além de autoridades do órgão ministerial, representantes do Poder Judiciário, da Prefeitura e da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB/AL).

A abertura do evento ficou porta do procurador de justiça Geraldo Magela. "Não é mais concebível que, em pleno século 21, a gente ainda tenha que falar sobre esse tema. É preciso que tenhamos consciência que nenhuma relação prospera sem respeito, sem afeto e, especialmente, sem amor. Eu mesmo repito sempre que só acredito no mundo em que o amor prospere. E se ele triunfar, é claro que a violência doméstica não vai existir. As relações permeadas de agressão precisam ser banidas. É por isso que é tão importante a denúncia contra o homem que violenta sua companheira”, disse ele.

A promotora de justiça Maria José Alves, titular da 38ª Promotoria de Justiça da Capital, e uma das coordenadoras do Agosto Lilás, também ressaltou a importância de se denunciar o agressor ou ligando para o 180 ou para o 190, este último, número da polícia local.

Ela também chamou atenção para os dois vieses da campanha deste ano: o sofrimento dos filhos, que também sofrem com a violência doméstica, e o machismo praticado pelos homens. "O Ministério Público em 2018 escolheu como tema da sua campanha uma outra vítima dos relacionamentos abusivos: os filhos, que crescem vendo o pai espancar a mãe rotineiramente. Em nossos gabinetes, nós sempre recebemos, para além da mulher que é a maior vítima de violência, crianças e os adolescentes completamente traumatizados com as cenas tristes que assistem. Eles falam das tragédias já presenciadas e a gente percebe o quanto estão fragilizados e revoltados com aquilo tudo”, relatou a promotora.

Denúncia deve ser feita por qualquer pessoa

“Estudos mostraram que, em 2017, uma mulher foi assinada pelo seu companheiro a cada duas horas no Brasil. E esse é número estarrecedor. E é exatamente para combatê-lo que o Ministério Público promove, todos os anos, a campanha Agosto Lilás, para tentar despertar a sociedade para a importância da denúncia. Aquele ditado que diz que em briga de marido e mulher ninguém mete a colher, está completamente equivocado. A gente deve se intrometer, sim. Se você conhece algum caso, ligue para o 180, chame a polícia, procure o Ministério Público ou a delegacia da sua cidade. E se quiser preservar o seu anonimato, as autoridades manterão o seu nome em sigilo. O importante mesmo é não aceitar que aquela mulher continue sendo violentada”, alertou a promotora de justiça Viviane Karla da Silva Farias.

O promotor de justiça Rogério Paranhos também despertou o público presente sobre a necessidade da denúncia. “Esse discurso de que a mulher tem que obedecer o homem e que isso se conquista à força e com derramamento de sangue é absurdo, e merece a nossa indignação. Nada se resolve por meio da brutalidade e da violência. Tenham certeza que esse caminho é equivocado. A solução dos conflitos passa pelo respeito. Por isso, rompam o silêncio e não permitam que mais uma mulher seja agredida”, declarou.

Parcerias com outras instituições

A Prefeitura de Arapiraca, a OAB/AL e o Poder Judiciário foram parceiros do Ministério Público na ação realizada nesta quinta-feira. A superintendente de Políticas Públicas para Mulheres da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social, Valéria Cyntia Montomi Chaves, reforçou a importância da união de forças para combater esse tipo de violência e explicou que a Prefeitura tem um serviço de atendimento às vítimas que funciona com atendimento multidisciplinar: “essa nossa rede de atendimento já atua em parceria com o Juizado da Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher, ou seja, ela é uma aliada do Ministério Público e do Poder Judiciário. Mas, aproveitando esse evento tão esclarecedor, quero lembrá-los que existe o Centro de Referência e Atendimento à Mulher em Situação de Violência, o Cramsv, que é realmente um instrumento de auxílio no combate à violência de gênero. Nossa equipe multidisciplinar atua com muita dedicação e está à disposição para servir”, assegurou.

Durante todo o evento, foram distribuídos panfletos falando sobre o Disk 180, a Central de Atendimento à Mulher criada pela Secretaria de Políticas para as Mulheres da Presidência da República. Trata-se de um revelante canal de denúncia e a ligação e o serviço são gratuitos para todo o País.

Outros panfletos entregues à população falavam da Lei da Maria da Pena e das punições previstas para o agressor, além de testes sobre como identificar sintomas de um relacionamento abusivo, e os contatos e endereços da rede de atendimento. Também foram distribuídos cartazes e laços lilases.

Fotos: Claudemir Mota

Conselho Nacional do Ministério Público Conselho Nacional dos Procuradores Gerais Associação Nacional dos Membros do Ministério Público Colégio de Diretores de Escolas dos Ministérios Públicos do Brasil Conselho Nacional dos Ouvidores do Ministério Público Associação do Ministério Público de Alagoas Tribunal de Justiça de Alagoas