Após intervenção do MPE/AL, prefeitura de Rio Largo apresenta projeto de lei que modifica Código Tributário do Município

Imprimir
PDF
Partilhar no FacebookPartilhar no Twitter
Tamanho da Fonte:

Após intervenção do Ministério Público do Estado de Alagoas (MPE/AL), por meio da 2ª Promotoria de Justiça de Rio Largo, a prefeitura do município apresentou à câmara de vereadores da cidade um projeto de lei com o objetivo de modificar a legislação que regulamenta os tributos cobrados pela administração pública municipal. De acordo com o promotor de justiça Magno Alexandre Moura, as mudanças foram necessárias para corrigir a redação do dispositivo que determina como será feita o pagamento do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU).

O promotor de justiça esclareceu que a denúncia recebida pela instituição ministerial dava conta de irregularidades no decreto normativo Nº 03/2018, publicado pela prefeitura de Rio Largo e destinado a regulamentar artigos da Lei nº 1.776 de 29 de dezembro de 2017, que dispõe sobre o novo Código Tributário do município de Rio Largo. Segundo o denunciante, o artigo 191º foi modificado e deixou de prever um desconto de 30% que incidia quando o imposto era dividido em três parcelas, passando a ser aplicado apenas quando o pagamento fosse feito em cota única.

“Sabe-se que o chefe do executivo tem legitimidade para expedir decretos, conforme prever a Constituição, para a fiel execução da lei, ou seja, o decreto tem a finalidade de detalhar a lei, mas não pode ir contra ou além desta. Por isso, decidimos convocar a prefeitura para que se manifestasse sobre o assunto e, durante audiência eles apresentaram um novo projeto de lei, que foi apresentado para ser aprovado pelo legislativo municipal”, declarou o promotor de justiça Magno Ferreira Moura.

De a cordo com o novo projeto apresentado, o contribuinte poderá efetuar o pagamento do IPTU em uma parcela única, quando terá 20% de desconto do valor total. Há também a possibilidade de dividir o valor em três parcelas, onde incidirá um descontos e 10%. Caso prefira, poderá pagar o imposto em 12 parcelas, desde que não sejam inferior a R$ 50. Nesse caso não haverá nenhum tipo de desconto.

Conselho Nacional do Ministério Público Conselho Nacional dos Procuradores Gerais Associação Nacional dos Membros do Ministério Público Colégio de Diretores de Escolas dos Ministérios Públicos do Brasil Conselho Nacional dos Ouvidores do Ministério Público Associação do Ministério Público de Alagoas Tribunal de Justiça de Alagoas